Bok2 - entregando mais livros

Bok2 - entregando mais livros

ATUALIZE-SE

HomeAtualize-seUm bate papo com JP Schimidt

Um bate papo com JP Schimidt

23 ABR

A BOK2 inaugura um espaço dedicado à divulgação e celebração dos autores independentes. Hoje, trazemos um bate papo com JP Schimidt, escritor, roteirista de quadrinhos, redator freelancer, palestrante, mestre de RPG há 28 anos e um ninja capaz de voar e aterrissar de barriga.

Autor premiado no 4° Concurso Microcontos de humor de Piracicaba de 2014. Possui três livros publicados sendo que dois deles por meio de crowdfunding.

Seu primeiro livro, o Guardiões do pecado permaneceu por 4 meses no TOP 5 Widbook na categoria Ação e aventura. Tal reconhecimento deu base para o financiamento coletivo no Catarse onde obteve de 101% da verba do projeto possibilitando assim a publicação do livro, do e-book e de sua tradução para o inglês. Em 2016 lançou o e-book O adereço da estranha árvore. Em 2017 veio sua terceira obra: Maus valores – O poder e o meio.

Nas horas livres o autor se dedica a realizar workshops de RPG em escolas, ministra palestras de escrita criativa e tem planos de dominação global usando nanobots de chocolate.

 

 

1 – Você já lançou três livros, e todos de forma independente. De onde vem a inspiração para escrever? E você pode falar de algumas influências ?

      R.: A inspiração vem de ler o mundo. O que digo parece cair no comum, mas funciona assim comigo. O Adereço da Estranha Árvore  nasceu de um exercício de escrita feito a partir de uma cena de um filme sci-fi dos anos 80 que saiu no Brasil como: A Marca da Pantera. Escrevi comédias e contos de terror depois de discussões mentais com antigos chefes.

Bem… Além dos escritores esperados da lista de um nerd+RPGista+escritor de literatura fantástica e sci-fi eu diria que meu leque é variado. Fui ator amador por sete anos então carrego muita coisa do cinema. Adoro o peso de John Carpenter e a ação de John Woo. Na literatura nacional clássica e contemporânea amo a eloquência de Machado de Assis, o lirismo de João Cabral de Melo Neto, a tragicidade de Augusto dos Anjos e a sem vergonhice incômoda de Nelson Rodrigues. Dos vivos fico com Del Candeias, André Vianco, Sonia Nabarrete, Eduardo Spohr, Leonel Caldela, Eugen Weiss e Elvis Presley. Ok, o último não escreve mas é certeza que está vivo.

2 – Publicar um livro é sempre desafiador: ter a disciplina para escrever, acreditar no próprio trabalho, ainda mais de forma independente. Qual o maior desafio que você encontrou nesse trajeto?

      R.: Trabalhei por oito anos em uma empresa de tecnologia e quando sai senti-me perdido. Estranhamente culpado por agora ter o tempo necessário para concretizar o sonho da publicação. Por vezes eu parava de escrever para varrer a casa, fazia alguma manutenção e etc. Logo, não era exatamente uma proscratinação e sim uma  atrapalhada readaptação para meu novo horário de trabalho e novo tipo e formato de trabalho. Trabalhar em casa necessita de muito foco? Sim, contudo, em primeiro lugar é saber virar a chave, desligar e ouvir a voz interior dizendo: Sim. Você agora é um escritor.

3 – Agora você vai publicar uma HQ em parceria com outros autores. Você pode falar um pouco sobre este projeto?

      R.: Fazer a HQ veio da ideia de escrever a origem dos portagonistas do meu primeiro livro, o Guardiões do Pecado. E do pedido de alguns leitores interessados em ler algo meu em outro formato. Em dezembro último, conheci Isaac Santos e Rodrigo Rizo (da HQ Numinus citados pelo canal Pipoca e Nanquim como tendo uma das HQs imperdíveis de 2017) e a sintonia foi imediata. Apresentei a ideia em um dia e poucos dias mais tarde já haviam lido o roteiro e fechamos a parceria. Porém, como queríamos aproveitar o imenso público do Anime friends para o lançamento tínhamos de ser mais rápidos, daí trouxemos o competente Ricardo Sousa (que já trabalhou para o mercado americano) e o colorista profissional Márcio de Macedo.

Essa história em quadrinhos contará a origem de um dos protagonistas. Um anão bocudo e inconveniente.

Terá mais de 70 páginas em lombada quadrada e totalmente colorida. Tudo através de financiamento coletivo no Catarse. O nome do projeto é: Do Sangue de Keldorn.

E quem quiser saber mais sobre o projeto –  e contribuir – basta conferir o link abaixo:

https://www.catarse.me/dosanguedekeldorn

4 – O ‘financiamento coletivo’, ou crowdfunding, tem sido uma opção para viabilizar projetos independentes. Desde quando você utiliza este sistema e qual a grande vantagem que você enxerga neste tipo de financiamento?

      R.: Desde 2015 tanto como apoiador quanto criador de projetos. Foi através da comunidade de apoiadores da plataforma que publiquei Guardiões do Pecado na versão ebook, impressa e na versão em inglês. O projeto de 2016 foi o livro e ebook Maus Valores (também de literatura fantástica). E agora a HQ Do Sangue de Keldorn. De imediato são três as vantagens. A primeira é que lá já existe um público interessado em atuar como Mecenas de artes. A segunda é porquê a plataforma é robusta, confiável e renomada. O terceiro e último é que em projetos do tipo ‘Tudo ou nada’ caso a meta de colaboração mínima não for alcançada a plataforma devolve o dinheiro investido a todos os apoiadores sem custos.

5 – Você pensa em um público ao escrever?

      R.: De início não. Neste comecinho eu subi alguns capítulos do GDP para plataformas online de leitura. Para ter críticas genuínas e sem a pluma da amizade e surpreendi-me com os fantásticos retornos.

Pensar no público começou em 2016, pois eu havia prometido um livro para aquele ano, logo, se não entregasse os leitores iriam me esquartejar em praça pública (risos);

Quanto ao terceiro ( o Maus Valores) que deveria ter sido o segundo eu demorei mais tempo, pois resolvi submetê-lo a duas baterias de leitores beta. Agora a HQ Do sangue de Keldorn é acima de tudo o meu presente de agradecimento as demonstrações de força e carinho dos leitores nos eventos e obviamente porquê demonstraram interesse em arte sequencial com os personagens dos livros.

6 – Qual conselho você dá para um autor iniciante, especialmente para aqueles que querem se arriscar de forma independente?

      R.: Ora… leia os meus livros. Estou brincando. Leia de tudo sem se restringir a gêneros literários de preferência, leia o mundo. Se acha uma cena fraca tente reescrevê-la. Tem dificuldades com diálogo? Cola nas tiazinhas no ônibus e ouça o bate-papo delas. Faça muitos e muitos cursos de escrita criativa, ouça podcasts de literatura, assine feeds de booktubers e compre livros nacionais, pois além de animar quem começou antes, você irá sem dúvidas ajudar a aquecer  e aumentar o mercado BR para novas estórias, ou seja, também para suas estórias.

Ser independente significa ser a empresa de um homem só. Você é chefe e estagiário, quem manda e quem faz o café. Portanto, não reclame que o café está ruim só faça outro.


COMPARTILHE

SEU LIVRO NOS MAIORES E-COMMERCES DO BRASIL

Na BOK2, você imprimirá seus arquivos sob demanda, sem contratos e sem burocracia. Tudo de forma otimizada, simples e fácil. Disponibilize infinitos títulos sem investimento inicial e lucre em cada venda. Seus livros estarão disponíveis nos maiores e-commerces do país. Faça um orçamento!

CLIQUE AQUI PARA COMEÇAR A VENDER

Como podemos ajudá-lo?